CONTE SUA HISTÓRIA NESSA TABERNA

A Taberna dos Bardos, ligada ao Projeto Livro de Rua (Instituto Ciclos do Brasil), abrirá suas portas para a oficina de contação de histórias no Centro Cultural de Justiça Federal (CCJF), no próximo dia 30, das 14 às 17. A atividade é gratuita e todas as 30 vagas foram preenchidas.

Através de música, filmes e leitura de textos, Maria Eugenia Arruda pretende capacitar multiplicadores em contação de histórias e mostrar a importância dos contadores para a formação de leitores.

A Taberna se propõe a passar conhecimentos de uma arte milenar para todos os interessados em ingressar nesse cativante universo, sensibilizando, despertando e fazendo com que cada participante descubra o contador de histórias que está guardado dentro de si.

O intuito é incentivar e formar mais pessoas dispostas a encantar o mundo infantil e dos adultos com histórias, uma importante etapa para atraí-los para a leitura de um modo geral. “A oficina induz ao resgate de memórias”, diz Maria Eugênia.

Serão abordados os seguintes temas: 

 Razões para se contar histórias .

O contador tradicional, o contador urbano .

Caminhos para iniciar a contação de histórias .

Como contar histórias – abordagem de técnicas .

Atividades para criação de histórias

Recursos que serão usados e apresentados: apostila do Instituto Ciclos do Brasil; música, trechos de filme e documentário; material para atividades em grupo.

 Inaugurada em setembro de 2010, com atividade no Centro Cultural da Light, a Taberna dos Bardos faz uma homenagem aos contadores de histórias do povo Celta, que exerciam sua arte nas tabernas.

O CCJF fica na Av. Rio Branco, 241 e funciona de terça a sexta-feira, de 12h às 17. Telefones: 3261-2567 e 3261-2552. E-mail: educativo.ccjf@trf2.gov.br

Rocinha em festa literária

Não poderia ter sido melhor. A libertação de 1.000 livros na Rocinha, no último sábado (20 de agosto), pelo Projeto Livro de Rua, agradou a todos. A partir das 10h, pessoas que passavam pela Praça da Roupa Suja paravam para ver, folhear e escolher o seu para ler em casa. E, depois, é claro, passar adiante. Havia títulos para todos os gostos e idades, tudo proveniente de doações por parte de moradores da Barra Tijuca e São Conrado, principalmente.

            As pessoas chegavam afoitas para pegar um ou mais livros, pediam ajuda na escolha e debatiam entre si. De literatura de Eça de Queiroz, Machado de Assis, Jorge Amado, Josué Montelo, José Saramago,Thalita Rebouças, Lia Luft a poesias de Clarice Lispector, Cecília Meireles e Ferreira Gullar, passando por tratados de política, ciências e economia, não sobrou nada.

            O toque especial foi dado pelas crianças que, sozinhas ou acompanhadas pelos pais, fizeram do evento uma verdadeira festa, com imagens captadas pelas câmeras da TV Brasil (Repórter Brasil das 21h do dia 20/8). Como o número de livros infantis e juvenis era grande, elas, na dúvida do que escolher, pediam para levar mais de um. Para si, para os irmãos ou para os coleguinhas da escola.

           

 Para admiração dos que estavam em volta, um menino com a camiseta do Pequeno Príncipe encontrou no meio dos livros…O Pequeno Príncipe, sua paixão infantil. Pegou o livro e beijou, numa cena emocionante clicada pelo fotógrafo Junior Paiva, que registrou com talento todo o evento a pedido da Amasco – Associação dos Moradores e Amigos de São Conrado , parceira do Livro de Rua na atividade da Rocinha.

 

            Não faltou nada: o pessoal do Fórum de Cultura da Rocinha (Firmino, Ronaldo e Rita) deu todo o apoio, assim como o Administrador Regional, Jorge Collaro. Marlene Parente, diretora e representando da Amasco, deu sua incansável colaboração durante a organização e no dia do evento.

           

 Alex Sorriso, presidente da Associação de Quatro Bicas, Vila Cruzeiro, parceiro fiel, foi o mestre de cerimônias. Pelo microfone, cedido pelo atuante grupo da Rocinha, Mulheres da Paz, ele conclamava o público e anunciava com sua vitalidade nata o objetivo do projeto, ligado ao Instituto Ciclos do Brasil: democratizar a leitura. Lembrando sempre o que já se tornou slogan do Livro de Rua: leia e passe adiante.

            Em meio à aglomeração de pessoas, o Grupo Chega Aí, do Morro da Alegria, aproveitou para distribuir camisinhas e material relacionado à saúde.

            Só resta enaltecer os voluntários presentes por seu trabalho e dedicação: Pedro, Yolanda, Thiago, Luzia, Romeica, Paula Andrea, Vilda, Jonatan, Gilda e Luca.

            Junte-se a nós, seja voluntário e doe livros para o projeto. Eles serão muito bem aproveitados.

 

Pegue seu livro na Rocinha

Quem passar pela Rocinha sábado (dia 20) poderá escolher um dos 1.000 livros que estarão sendo distribuídos. Não se acanhe, é de graça. A única contrapartida é que passe adiante depois de ler, para que outros também possam desfrutar da boa leitura.

            A ação é do Projeto Livro de Rua, que estará na Praça da Roupa Suja (embaixo da Passarela ligando o bairro ao Complexo Esportivo) a partir de 10h e até que acabem os livros. A atividade será em conjunto com a Clínica da Família do Centro de Cidadania Rinaldo de Lamare (Prefeitura do Rio), que atende os moradores da comunidade, e fará promoção e dará orientações na área de saúde, como prevenção de doenças e controle da natalidade.

            As atividades contam com o apoio da Amasco (Associação de Moradores de São Conrado), do Fórum de Cultura da Rocinha e da Administração Regional da Rocinha.

            Os títulos são variados, de autores clássicos e modernos, nacionais e estrangeiros, para adultos, jovens e crianças.

            O Projeto Livro de Rua entende que livros não são para ficar presos em estantes pegando poeira. São para circular. Daí porque falamos em libertação de livros.

            Leia e passe adiante. Neste simples ato reside o cerne do Projeto Livro de Rua, focado no incentivo e na democratização da leitura no país.

            Todos os livros são doações feitas por pessoas que decidiram esvaziar suas estantes, grande parte moradores de São Conrado e da Barra da Tijuca.

            Com esta iniciativa, o projeto dá mais um passo em direção à sua meta de difundir e democratizar a leitura e levar o livro para as praças públicas, onde o povo está.

            Chegou a vez da Rocinha. Participe, junte-se a nós.

Saúde e livros na Rocinha

Os cuidados com o corpo e a mente caminham juntos e atividades nessas duas áreas vão movimentar a comunidade da Rocinha no próximo sábado (dia 20). O Projeto Livro de Rua e a Clínica da Família do Centro de Cidadania Rinaldo de Lamare (Prefeitura do Rio), que atende os moradores da comunidade, promoverão ações conjuntas: libertação (distribuição) de cerca de 1.000 livros e promoção e orientação na área de saúde, como prevenção de doenças e controle da natalidade.

            Será na Praça da Roupa Suja (Morro da Alegria), a partir de 10h.

            Os títulos são variados, de autores clássicos e modernos, nacionais e estrangeiros, como Jorge Amado, Machado de Assis, Thalita Rebouças, Clarice Lispector, Dan Brown, entre muitos outros. E também um grande número de obras infanto-juvenis.

            Os livros são de graça para quem quiser desfrutar da boa leitura. Por que libertar? Porque livros não são para ficar presos em estantes pegando poeira. São para circular.

            Portanto, quem estiver passando pela praça e pegar um livro deve assumir o compromisso de passá-lo adiante depois de ler, para que outros possam compartilhar da leitura, numa corrente do bem.

            Leia e passe adiante. Neste simples ato reside o cerne do Projeto Livro de Rua, focado no incentivo e na democratização da leitura no país.

            Todos os livros são doações feitas por pessoas que decidiram esvaziar suas estantes, grande parte moradores de São Conrado e Barra da Tijuca.

            Com esta iniciativa, o Livro de Rua dá mais um passo em direção à sua meta de difundir e democratizar a leitura e levar o livro para as praças públicas, onde o povo está.

            Chegou a vez da Rocinha. Participe, junte-se a nós.

Taberna dos Bardos no Centro Cultural da Justiça Federal

A Taberna dos Bardos, oficina de contação de histórias ligada ao Projeto Livro de Rua, entrou para a programação de agosto do Centro Cultural de Justiça Federal (CCJF). Através de música, poesia e leitura de textos, o objetivo da Oficina é capacitar multiplicadores em contação de histórias e mostrar a importância dos contadores para a formação de leitores.

A Taberna se propõe a passar conhecimentos de uma arte milenar para todos os interessados em ingressar nesse cativante universo. O intuito é incentivar e formar mais pessoas dispostas a encantar o mundo infantil e dos adultos com histórias, uma importante etapa para atraí-los para a leitura de um modo geral.

A oficina no CCJF será ministrada pelas professoras Maria Eugênia Arruda e Maria Luiza Assumpção Silva, no dia 30 de agosto, das 14h às 17h, mediante agendamento. A atividade é gratuita.

Inaugurada em setembro de 2010, com atividade no Centro Cultural da Light, a Taberna dos Bardos faz uma homenagem aos contadores de histórias do povo celta, que exerciam sua arte nas tabernas.

A oficina obteve o apoio da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos para formar 30 mulheres contadoras de histórias na comunidade pacificada do Batam, Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, no projeto O Outro Lado da História – Verão nas UPPS.

Informações e inscrições por telefone: 3261-2567 e 3261-2552. E-mail: educativo.ccjf@trf2.gov.br. O CCJF fica na Av. Rio Branco, 241 e funciona de terça a sexta-feira, de 12h às 17h.

A Bienal do Livro está chegando

Para um país com tão baixos índices de leitura, os resultados das Bienais do Livro surpreendem até os organizadores. Este ano, os números são superlativos: 23 escritores estrangeiros confirmados, a maioria autores de best-sellers, como Anne Rice, de Entrevista com o Vampiro, que virou filme, e William P. Young de A Cabana.

Nos 55 metros quadrados do Riocentro haverá 950 expositores e a expectativa é que sejam vendidos 2,4 milhões de livros, como em 2009. A 15ª edição da Bienal irá de 1º a 11 de setembro e entradas já estão sendo vendidas.

Não somente os livros são atração. Há também o Encontro com os Autores e o Café Literário, sempre concorridos. E novidades como saraus poéticos, Debateboca, Mulher e Ponto e Livro em Cena.

O espaço interativo Maré de Livros, promete mais uma vez ser um prato cheio para crianças e adolescentes. No Conexão Jovem, um dos campeões de público, as escritoras americanas Alyson Nöel e Lauren Kate, ao lado da brasileira campeã de vendas Thalita Rebouças, prometem mobilizar e encantar o público juvenil.

 

Nós do Projeto Livro de Rua estaremos presentes divulgando nosso trabalho e, é claro, também curtindo as novidades e atrações do mundo da leitura. E, quem sabe, conseguindo algumas doações por parte das editoras.

%d blogueiros gostam disto: