Oficinas Literárias como ferramenta de transformação

Ler é tudo de bom. Ser despertado para o mundo da leitura e da literatura, por pessoas dedicadas e apaixonadas por livros, é melhor ainda. Isso acontece na Oficina de Experimentação Literária, comandada por Deborah e Rubinho, que levam a crianças de 4 a 7 anos os rudimentos da história da Literatura, Poesia, Textos Literários e Jornalísticos.

O projeto, de caráter voluntário, existe há dois anos e já foi realizado nas comunidades da Nova Divinéia e Juscelino Kubitschek (Caçapava), ambas no complexo de favelas do Andaraí, na Grande Tijuca. Chegou também à comunidade da Caçapava, nas dependências do CRAS (Centro de Referência da Assistência Social, órgão do Ministério da Assistência Social e Combate à Fome) Itamar Franco, e a próxima parada será na UPP da comunidade Andaraí, em junho.

Rubinho da Divinéia e Deborah Lins de Barros, embora tenham inicialmente percorrido diferentes caminhos, ele, no Direito, e ela, na História, tiveram suas vidas cruzadas em função da literatura e da preocupação com o social.

Amante da literatura, Deborah se embrenha pelo mundo das artes: escreve poesia, crônica, conto e atualmente dedica-se ao estudo de roteiro cinematográfico. “Acredito que podemos ser vários: agrada-me tudo o que consigo interagir”… “A faculdade de História me deu uma visão política clara, mas depois da fase do ‘sonho’, entrei em uma distopia. A Oficina de Experimentação Literária é também uma obra política, pois acredito que essa seja a minha parte, a minha colaboração para um futuro melhor, de pessoas com capacidade não de julgar, mas de saber lidar com a realidade que lhes foi dada. Essa é a minha causa, pois acredito que só a arte salva”, destaca Deborah.

Deborah escreve o blog http://mocadeitadanagrama.blogspot.com.br/ e Rubinho edita o jornal de bairro Rubinho da Divinéia Jornal.

Quando foi criada e no que consiste a Oficina de Experimentação Literária?

Deborah – A oficina surgiu em 2010, com a ideia de se experimentar a literatura mesmo. Sua forma, sua textura, suas faces. E assim, provocar o interesse nas crianças.

Como e por que surgiu a ideia? Por que literatura?

Deborah – escolhi trabalhar com literatura por ser algo que dá prazer. A ideia surgiu quando eu trabalhava na biblioteca do SESC de Itajaí, Santa Catarina. Uma das minhas funções era manter a biblioteca organizada e frequentada. Criei a oficina para as crianças que participavam de um programa educacional promovido pela instituição. Foi um sucesso.

Qual o critério de escolha dos locais para onde o projeto é levado?

Deborah – Acreditamos que crianças que, por exemplo, estudam em escolas particulares ou que tenham condições de vida mais confortáveis têm, mais facilmente, acesso à literatura e às artes. E queremos, com a Oficina, fomentar o interesse por literatura, não lapidá-lo. Por isso, escolhemos trabalhar com crianças de comunidades.

Atualmente, contamos com o apoio do CRAS da Rua Caçapava, no Grajaú. A oficina consta de cinco encontros, com duas horas de duração cada um. A divulgação é feita na comunidade e a ideia é que os alunos participem voluntariamente. O ideal é que seja feita com, 10 a 15 crianças, no máximo.

Que ideias e sentimentos vocês pretendem passar às crianças e aos jovens?

Rubinho – Queremos despertá-las para o mundo da leitura, das artes, buscando humanizá-las. Temos crianças expostas a realidades duras, que as deixam embrutecidas. A ideia é entronizá-las em um mundo lúdico para que percebam que outro mundo é possível e que também depende delas fazer acontecer.

Qual tem sido a receptividade? Do que eles mais gostam?

Deborah – Inicialmente, há uma curiosidade natural da criança. Isso é interessante, pois percebemos, depois desse primeiro momento, quem está gostando e quem está ali por inércia. Fazemos pequenas adaptações no desenho do projeto para que ele se adeque àquela realidade, e não vice-versa.

Em geral, as crianças gostam mais do primeiro encontro, quando há uma espécie de retrospectiva das formas que a humanidade usa para se expressar com a escrita. Valemos-nos de imagens de arte rupestre, de manuscritos medievais e da imprensa de Gutemberg, além de formas de escrita atuais, porém diferentes da que usamos. E depois de tudo fazemos uma bagunça divertida, criando manchetes para um jornal imaginário, que expomos na confraternização de encerramento da oficina.

Anúncios

Uma resposta

  1. Ola!
    Fiquei muito interessada na oficina de vcs. Seria possivel visitar em um dia de atividade?

    Obrigada,
    Leticia Maione

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: